Respiração nas aves

O sistema respiratório das aves tem pulmões rígidos de volume fixo e sacos aéreos complacentes. Os pulmões atuam como um local de trocas gasosas do sistema respiratório.

158

Sacos aéreos grandes de paredes finas originam-se de alguns brônquios secundários. Um grupo cranial (sacos aéreos cervicais, clavicular e torácicos craniais) conecta-se aos brônquios secundários médio-ventrais; um grupo caudal (sacos aéreos torácicos caudais e abdominais) conecta-se aos brônquios secundários látero-ventrais e médio-dorsais e aos brônquios primários intrapulmonares. Todos os sacos aéreos são pares, exceto o clavicular; nas galinhas, patos, pombos e perus, há um total de nove sacos aéreos.

Os divertículos surgem de muitos sacos aéreos e penetram em alguns ossos. Embora a maioria dos ossos em algumas aves sejam pneumáticos (mesmo os ossos do crânio e falanges distais no pelicano), o osso pneumático mais importante nas espécies domésticas é o úmero. O divertículo supra-umeral do saco aéreo clavicular estende-se dentro desse osso, e é possível para a ave ventilar seu pulmão através de um úmero quebrado. O volume de gás nos sacos aéreos é aproximadamente 10 vezes maior do que o dos pulmões, com o volume do sistema respiratório total atingindo 500 ml em galos grandes. Praticamente não ocorrem trocas gasosas nas paredes dos sacos aéreos.

As modificações do volume corporal são causadas por contração dos músculos inspiratórios e expiratórios, ambos ativos e igualmente importantes (mesmo na ventilação em repouso). As aves, ao contrário dos mamíferos, não possuem diafragma e os músculos esqueléticos da parede corporal fornecem energia para a modificação do volume do corpo. O volume corporal aumenta durante a inspiração por causa do movimento ventro-cranial do esterno e lateral das costelas. O complexo esterno-coracóide fixa-se a espádua e a ponta do esterno desloca-se em arco, enquanto a ave respira.

Durante a inspiração, o volume corporal (torácico e abdominal) aumenta, o que diminui a pressão nos sacos aéreos em relação à da atmosfera e o gás desloca-se através dos pulmões para dentro dos sacos aéreos. Ao contrário, durante a expiração, o volume corporal diminui, a pressão nos sacos aéreos aumenta em relação à da atmosfera e o gás é forçado para fora dos sacos aéreos e de volta, através dos pulmões, para o meio ambiente. Assim, o gás flui através dos pulmões da ave durante ambas as fases do ciclo respiratório.

159

O sistema de controle ventilatório atua no ajuste da quantidade e padrão ventilatório para adquirir uma constância relativa dos gases no sangue arterial em condições de repouso. Essa função parece ser exercida por influência de muitos impulsos de entrada aferentes, vindos tanto dos receptores periféricos como centrais, no oscilador respiratório central que, por sua vez, controla os neurônios motores que inervam os músculos respiratórios.

Durante o estresse pelo calor em aves, a frequência respiratória aumenta de maneira acentuada, à medida que o volume respiratório diminui e, finalmente, ocorre polipnéia. A ventilação total em tais condições pode aumentar seis a sete vezes. É espantoso o fato de que, em algumas aves (avestruz, galinha mestiça, perdiz, cegonha, marreco-de-pequim, pombo), essa acentuada alteração na ventilação total resulta em alteração nos gases e no pH do sangue arterial. Em algumas aves (galinha), a ventilação aumenta de forma acentuada durante a polipnéia, resultando em severa hipocapnia e alcalose. As razões para as diferenças entre as espécies são desconhecidas.

O agrupamento neuronal respiratório, responsável pela ação rítmica dos músculos respiratórios, está no tronco cerebral, provavelmente na região da ponte e parte rostral do bulbo.

Devido à necessidade de um movimento ventro-cranial do esterno para que a ave modifique seu volume corporal no processo de movimentar os gases através dos pulmões, deve-se ser extremamente cauteloso para não conter uma ave de maneira que o movimento esternal seja impedido, ou ela não poderá ventilar seus pulmões adequadamen

O controle da respiração parece estar diretamente envolvido no grau de calcificação da casca do ovo. Sob condições de hiperventilação, como freqüentemente acontece no estresse pelo calor, são formados ovos de casca fina. Durante procedimentos cirúrgicos em que a cavidade toracoabdominal é aberta (castração de frangos), os sacos aéreos são rompidos e a capacidade da ave para ventilar seus pulmões pode ficar seriamente comprometida. As aves têm um fator de segurança muito baixo para a maioria dos anestésicos e é fácil induzir parada respiratória. Quando isto acontece, os pulmões podem ser artificialmente ventilados por delicada ação de bombeamento sobre o esterno, comprimindo e expandindo assim a cavidade toracoabdominal. O gás, então, irá deslocar-se através dos pulmões e as trocas gasosas poderão ocorrer até que a concentração do agente anestésico diminua e a respiração espontânea recomece.

 

Referências

Antinoff N. & Hahn K. 2004. Ferret oncology: diseases, diagnostics, and therapeutics. Veterinary Clinic Exotic Animal,  v. 7, p. 579-625.

 

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Detecção e identificação de bactérias de importância médica. In: ______. Manual de microbiologia clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. Brasília: ANVISA, 2004a. Edição comemorativa para IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, Salvador 30 de agosto de 3 de setembro de 2004.

 

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Detecção e identificação dos fungos de importância médica. In: ______. Manual de microbiologia clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. Brasília: ANVISA, 2004b. Edição comemorativa para IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, Salvador 30 de agosto de 3 de setembro de 2004.

ARRINGTON, L.R. Introductory Laboratory Animal Science – The breeding, care and management of experimental animals. Illinois: Interstate Printers and Publishers, 1972. 203p.

BENITZ, K.F.; KRAMER. A.W. Spontaneous tumors in the Mongolian gerbil. Laboratory Animal Care, v. 15, n. 5, p. 281–294, 1965.

BOYER, T. H.; BOYER, D. M. Turtles, tortoises, and terrapins. In: MADER, D. R. Reptile medicine and surgery. Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 61-78.

BURNIE, D. Animal – The definitive visual guide to the world’s wildlife. 1. ed. London: Dorling Kindersley Limited, 2001. 624p.

BUSH, M. External fixation of avian fractures. J Am Vet Med Assoc, 171:943-946, 1977.

CORRÊA, S. H. R; PASSOS, E. C. Wild animals and public health. In: FOWLER, M. E.; CUBAS, Z. S. Biology, medicine, and surgery of sounth american wild animals. Iowa: Iowa State University Press, 2001. p. 493–499.

CRAMLET, S. H.; TOFT, J. D.; OLSEN, N. W. Malignant melanoma in a black gerbil (Merlones unguiculatus). Laboratory Animal Science, v. 25, p. 545-547, 1975.

CUBAS, S. C.; SILVA, J. C. R.; CATÃO-DIAS, J. L. Tratado de animais selvagens. São Paulo:  Roca, 2007. 1354 p.

CUBAS ZS, GODOY SN. Medicina e patologia de aves de companhia.  In: AGUILAR R, HERNÁNDEZ-DIVERS SM, HERNÁNDEZ-DIVERS SJ. (eds.), Atlas de Medicina, Terapêutica e Patologia de Animais Exóticos.  São Caetano do Sul: Interbook; 2006. p. 213-64.

EBANI, V.; FRATINI, F. Bacterial zoonoses among domestic reptiles. Annali Fac. Med. Vet., v. 58, p. 85-91, 2005.

FOSSUM, T.W.; HEDLUND, C.S.; HULSE, D.A.; JOHNSON, A.L.; SEIM III, H.B.; WILLARD, M.D. et al. Cirurgia de Pequenos Animais. 1ª ed. São Paulo: Editora Roca, 2002. 578p.

Fowler, E. M. Zoo & Wild Animals Medicine. Philadelphia: W. B. Saunders Company; 1986, pp. 533-547.

FOWLER, M. Zoo & wild animal medicine. Londres: W. B. Saunders Company, 1986. 1127 p.

FOWLER, M. Zoo & wild animal medicine.  Londres: W. B. Saunders Company, 1993. 617 p.

FOWLER, M.; MILLER, R. Zoo and wild animal medicine. Londres: W. B. Saunders Company, 2003. 782 p.

FRYE, F. L. Reptile care. An atlas of diseases and treatments. Neptune City, N.J. (USA): TFH Publications, USA, 1991. v. 1.

GARNER, M. Cytologic Diagnosis of Diseases of Rabbits, Guinea Pigs, and Rodents. Vet Clin Exot Anim 10 (2007) 25–49

GLEN, E. M.; GRAY, J. Effect of various hormones on the growth and histology of the gerbil (Meriones unguiculatus) abdominal sebaceous gland pad. Endocrinology, v. 76, p. 1115-1123, 1965.

GOLDSCHMIDT,M. H.; HENDRICK,M. J. (2002).Tumours of the skin and soft tissues. In:Tumors in Domestic Animals, 4th Edit., D.J. MEUTEN (Ed.), Iowa State Press, Ames, USA.

GREENACRE, C.B. Spontaneous tumors of small mammals. Veterinary Clinics of North America: Exotic Animal Practice, v. 7, p. 627–51, 2004.

GUZMAN-SILVA, M.A.; PEIXOTO, F. C.; TELLES, T. C. D.; CAMPOS, M. L. A. Incidência de tumor de células da granulosa em gerbil, Meriones unguiculatus.. In: XX Congreso Latinoamericano de Patologia, 1995, Santiago, Chile. XX Congreso Latinoamericano de Patologia, 1995. p. 57-57.

HAGAN, J. What’s the difference? Differentiating Geochelone denticulata and Geochelone carbonaria. [200-]. Disponível em <http://www.tortoise.org/archives/carbdent.html>. Acesso em 28 dez. 2008.

Hammond, E.E. & Wolf, T. 2007. Medicina e cirurgia de furões, p.317-360. In: Aguilar R., Hernández-Divers S.M. & Hernández-Divers S.J. (Ed.), Atlas de Medicina, Terapêutica e Patologia de Animais Exóticos. 1 ed. Editora Interbook, São Paulo.

HARCOURT-BROWN, F. Textbook of Rabbit Medicine. BUTTERWORTH HEINEMANN, 2002. 410 p.

HARKNESS, J.E.; WAGNER, J.E. Biologia e clínica de coelhos e roedores. 3ª ed. São Paulo: Editora Roca; 1993. 238p.

Harvey, C.E. Veterinary dentistry. Philadelphia: W. B. Saunders Company; 1985, pp. 289-308.

HILLYER, E. V.; QUESENBERRY, K. E. Ferrets, Rabbits and Rodents: Clinical Medicine and Surgery. Philadelphia, Pennsylvania: W. B. Saunders Company, 1997. 432 p.

JAWETZ, E. Microbiologia médica. 15. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1982. 568 p.

JOHNSON-DELANEY, C. A. Reptile zoonoses and threats to public helth. In: MADER, D. R. Reptile medicine and surgery.  Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 20–33.

JOHNSON, S.E.; SHERDING, R.G. Esofagopatias e distúrbios de engolição. In: BIRCHARD, S.J.; SHERDING, R.G. Manual Saunders – Clínica de Pequenos Animais. 2. ed. São Paulo: Roca, 2003. Cap. 85, p. 791-809.

MADER, D. Reptile medicine and surgery. St. Louis, Missouri: Saunders Elsevier, 1996. 512 p.

MADER, D. Reptile medicine and surgery. St. Louis, Missouri: Saunders Elsevier, 2006. 1242 p.

MATOVELO, J.A.; MALAGO, J. J.; MASELLE,R.M.; GWAMAKA, M. Gross and microscopic pathological findings in a sebaceous gland carcinoma of the perineum and vulva in a Friesian cow.Veterinary Record, 156, p. 612-613. (2005).

MATSUOKA, K.; SUZUKI, J. Spontaneous tumors in the Mongolian gerbil (Meriones unguiculatus). Experimental Animals, 43,755-760, 1995.

McKEE, P.H., CALONJE, E.; GRANTER, S.R., (2005). Pathology of the Skin with Clinical Correlations,Vol. 2, 3rd Edit., Mosby Ltd., Philadelphia, USA.

MECKLEY, P.E.; ZWICKER, G.M. Naturally-occurring neoplasms in the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animals, v. 13, p. 203-206, 1979.

MURRAY, P. Manual of clinical microbiology. 7. ed. Washington: ASM Press, 1999.

NALLAPAREDDY, S.; SINGH, K.; SILLANPAA, J.; GARSIN, D.; HOOK, M.; ERLANDSEN, S.; MURRAY, B. Endocarditis and biofilm-associated pili of Enterococcus faecalis. The Journal of Clinical Investigation, v. 116, n. 10, p. 2799-2807, 2006.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Medicina Interna de Pequenos Animais. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 1360p.

O’MALLEY, B. Clinical anatomy and physiology of exotic species: structure and function of mammals, birds, reptiles and apmphibians. Edinburgh: Elsevier Saunders, 2005. 269 p.

OGLESBEE, B. L. Distúrbios dos Animais de Estimação Aviários e Exóticos. In: BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Manual Saunders – Clínica de pequenos animais. 2. ed. São Paulo: Roca, 2003. p.1533-1726.

PERCY DH, BARTHOLD SW. Pathology of laboratory rodents and rabbits. 2nd edition. Ames (IA): State University Press; 2001.

PERCY, D. H.; BARTHOLD, S.W. Pathology of Laboratory Rodents and Rabbits, 2 Ed. Iowa State University: Press, Ames, IA. 2001,  315p.

PESSOA CA. Avaliação da microbiota bacteriana e fúngica presente na cloaca de jabutis (Geochelone carbonaria) criados em domicílio e análise do potencial risco a saúde humana. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), São Paulo; 2009.

PESSOA, C. A. Estudo de Acompanhamento na venda de animais legalizados por loja legalizada e especializada em espécimes silvestres. 2006. Disponível em: <http://www.animalexotico.com.br/>.  Acesso em: 16 ago. 2006.

PESSOA CA, RODRIGUES MA, KOZU F, PRAZERES RF, FECCHIO R. Ooforectomia videoassistida por acesso pré-femural em tartaruga de ouvido vermelho Trachemys scripta elegans. Pesq vet bras 2008; 28(7): 345-349.

PESSOA CA, PRAZERES RF, FECCHIO RS, RODRIGUES MA, SOUZA PC. Utilização da videoendoscopia no diagnóstico de balanite em Jabuti-Piranga (Geochelone carbonaria Spix, 1824) relato de caso. In: XII Congresso e XVIII Encontro da Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens, Águas de Lindóia; 2009.

PESSOA CA, PRAZERES RF, FECCHIO RS, SOUZA PC. Utilização da videoendoscopia no diagnóstico de ruptura em saco aéreo clavicular em papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva Linnaeus, 1758) relato de caso. In: XII Congresso e XVIII Encontro da Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens, Águas de Lindóia; 2009.

PORT, C. D.; SIDOR, M. A. (1978). A sebaceous gland carcinoma in a rabbit. Laboratory Animal Science, 28, p. 215-216.

PROPHET, E. B.; MILLS, B.; ARRINGTON, J. B.; SOBIN, L. H. Laboratory methods in histotechnology. Washington: Armed Forces Institute of Pathology, 1992. 279 p.

Quesenberry, K.E. & Rosenthal, K.L. 2004. Endocrine diseases, p.79-90. In: Quesenberry, K.E., Carpenter, J.W. (Ed.), Ferrets, Rabbits, and Rodents – Clinical Medicine and Surgery. 2nd ed. Saunders, Missouri.

QUESENBERRY, K. Medical management of gerbils and guinea pigs. In: The 21st Annual Waltham/OSU Symposium for the Treatment of Small Animal Diseases. 21. Proceedings ed., Ohio, 1997. 51 – 55 p.

QUESENBERRY, K.E.; CARPENTER, J.W. Ferrets, rabbits, and rodents – Clinical medicine and surgery. 2nd ed. Missouri: Saunders, 2003. 461p.

RAFLO, C.P.; DIAMOND, S.S. Metastatic squamous-cell carcinoma in a gerbil (Meriones unguiculatus). Laboratory Animals, v. 14, p. 237-239, 1980.

RINGLER, D. H.; LAY, D. M.; ABRAMS, G. D. Spontaneous neoplasms in aging Gerbillinae. Laboratory Animal Science, v. 22, p. 407-414, p. 1972.

ROSENTHAL, K. L.; MADER, D. R. Microbiology. In:  MADER, D. R. Reptile medicine and surgery. Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 61-78.

ROSENTHAL, K.L. Practical exotic animal medicine. New Jersey: Veterinary Learning Systems Co, 1997, 274p.

RUPLEY AE. Manual de Clínica Aviária. São Paulo: Roca; 1999.

Salzo P.S., Vieira J.F. & Wildmann A. 2007. Alopecia X. Clínica Veterinária, n. 69, p. 64-66.

Shoemaker N.J., Schuurmans M., Moorman H. & Lumeij J.T. 2000. Correlation between age at neutering and age at onset of hyperadrenocorticism in ferrets. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 216, n. 2, p.195-197.

SCOTT, D. W.; ANDERSON, W. I. (1991). Feline sebaceous gland tumors: a retrospective analysis of nine cases. Feline Practice, 19,16-18, 20-21.

SHUMAKER, R. C.; PAIK, S. K.; HOUSER, W. D. Tumors in Gerbillinae: a literature review and report of a case. Laboratory Animal Science, v. 24, p. 688-690, 1974.

STRAFUSS, A. C. (1976). Sebaceous gland carcinoma in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, 169, p. 325–326

SUCKOW, M. A., REBELATTO, M. C., SCHULMAN, A. A.; HOGENESCH, H. (2002). Sebaceous adenocarcinoma of the external auditory canal in a New Zealand white rabbit. Journal of Comparative Pathology, 127, p.301-303.

SWENSON, M.J. & REECE W.O.- Dukes- Fisiologia dos Animais Domésticos. 11ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 1996. 856p

TAYLOR M. Endoscopy examination and biopsy techniques. In: Ritchie BW, Harrison GJ,  Harrison LR. (eds.), Avian Medicine: principles and application. Florida: Wingers Publishing; 1994. p.327-54.

TRABULSI, L. R.; CAMPOS, L. C. Escherichia. In: TRABULSI, L. S.; SOUZA, C. P. Microbiologia. São Paulo: Atheneu, 1999. p. 215- 228.

TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F.; Microbiologia. 4. ed.  rev. e atual. São Paulo: Atheneu, 2005. 718 p.

TRABULSI, L. R.; TOLEDO, M. R. F. Resistência bacteriana a drogas. In: TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F.; GOMPERTZ, O. F.; CANDEIAS, J. A. N. Microbiologia. São Paulo: Atheneu, 1999. p. 105-109.

VINCENT, A. L.; ASH, L. R. Further observations on spontaneous neoplasms in the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animal Science, v. 28, p. 297-300, 1978.

VINCENT, A. L.; PORTER, D. D.; ASH, L. R. Spontaneous lesions and parasites of the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animal Science, v. 25, p. 711-722, 1975.

Wagner R.A., Bailey E.M., Schneider J.F. & Oliver J.W. 2001. Leuprolide acetate treatment of adrenocortical disease in ferrets. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 218, n. 8, p.1272-1274.

 

Wheeler J., & Bennett R.A. 1999. Ferret abdominal surgical procedures. Part I. Adrenal gland and pancreatic beta-cell tumors. Compendium on Continuing Education for the Practicing Veterinarian, v.  21, n. 9, p. 815-822.

 

Weiss C.A. & Scott M.V. 1997. Clinical aspects and surgical treatment of hiperadrenocorticism in the domestic ferret: 94 cases (1994-1996). Journal of the American Animal Hospital Association,  v. 33, p. 487-493.

WEST, C. D. Gerbils. In: BEYNON, P. H.; COOPERS, J. E. Manual of Exotic Pets. Barcelona, Espanha: Grafos, 1994. 31 – 35 p.

Wiggs, R.B Dentistry in exotic carnivores. Presented at the 16th Annual Veterinary Dental Forum. Savannah, 2002.

 

Wiggs, R.B.; Lobprise, H.B. Veterinary dentistry. Principles & pratice. New York: Ed. Lippincott-Raven; 1997. pp. 538-556.

 

Wiggs, R.B.; Bloom, B.C. Exotic placental carnivore dentistry. Vet Clin Exot Anim 6 (2003) 571–599.

WILLARD, M. D.; CARROLL, G. L. Cirurgia de pequenos animais. 1. ed. São Paulo: Editora Roca, 2002. 1335p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *