Clamidiose / psitacose, cuidado!

A Chlamydophila psittaci é um parasita bacteriano intracelular obrigatório que contém DNA e RNA com parede celular rudimentar que não contém ácido muriático ou peptidoglicano. São reconhecidas a Chlamydophila psittaci e a Chlamydophila trachomatis e C. pneumoniae as quais estão restritas ao homem.

005

A transmissão ocorre pela dispersão de corpos elementares presentes na “poeira´´ das penas e fezes secas pelo ar. O microrganismo pode sobreviver por períodos logos em fezes e secreções secas. Sua ingestão pode ocasionar infecção das células epiteliais intestinais. Transmissão vertical através do ovo tem sido descrita em algumas espécies como, por exemplo, o pato, periquito, gaivota, e sugerido em perus. O agente pode ser identificado nas fezes até 10 dias antes do aparecimento clinico da doença.

A “clamidia” pode ser encontrada de maneira regular ou intermitente nas fezes, urina, fluido lacrimal, secreção nasal, mucosa oral, leite de papo (pombos). As informações, até o momento, são insuficientes para estabelecermos o período exato em que os animais acometidos podem transmitir a doença. Cabe aqui ressaltar que algumas aves podem ser portadoras assintomáticas do agente e transmití-lo por até um ano para outros animais ou ambiente. Como sempre faço questão de orientar em meus textos, sempre realize consulta com um médico veterinário para avaliar a higidez de seu animal ou do animal a ser adquirido!

Algumas espécies como os cães, gatos, cavalos, porcos e o homem parecem não transmitir a clamídia para membros da mesma espécie. Em contraste, aves infectadas, gado, ovelhas e cabras podem transmitir aos membros de mesma espécie. O estresse pode resultar em sinais clínicos ou aumento da eliminação do microrganismo nos portadores. Além do estresse, outros fatores podem ser incriminados, como possíveis desencadeantes como transporte marinho, super população, e acasalamento.

004

Há diferenças consideráveis entre os sinais apresentados por espécies diferentes a clamídia. Aves jovens são mais susceptíveis do que os mais velhos. Os papagaios e araras parecem ser mais sensíveis do que os psitacídeos asiáticos e australianos. O período de incubação da clamídia é difícil de ser determinado devido às diferenças de tipos de virulência, variando as respostas clínicas e período de portador sem sintomatologia clínica. O período mínimo de incubação para psitaciformes naturalmente infectados é de 42 dias. Um período de 7 anos foi sugerido para periquitos.

Aves jovens expostas a clamidia com alta virulência apresentam óbito após sintomatologia de infecção sistêmica. Como sinais clínicos temos penas arrepiadas, baixa temperatura corporal, tremores, letargia, conjuntivite, dispnéia, coriza (pombos) e sinusite (periquitos). Emaciação, desidratação fezes amarelo-esverdeadas sugerindo comprometimento hepático, ou acinzentadas com grande quantidade de líquidos. A morte ocorre entre 8 – 14 dias, sendo que uma recuperação espontânea é rara. Psitaciformes ocasionalmente desenvolvem sinais neurológicos, convulsões, tremores, opistótono e paralisia. Os sinais clínicos associados com infecções crônicas e de baixo grau incluem deficiente cobertura de plumagem, emaciação, diarréia e algumas vezes conjuntivite. Pode ocasionar infecção localizada e conjuntivite nos fringilídeos. A conjuntivite e descarga nasal são características de clamidiose nos pombos domésticos. A conjuntivite pode ser o sinal clínico predominante de clamidiose nos patos e gansos infectados.

Ao exame macroscópico podemos observar hepatomegalia, peritonite, aerossaculite, perihepatite, pericardite, broncopneumonia, enterite e nefrose. Esplenomegalia é freqüentemente encontrada. Em machos sexualmente ativos, a clamidia induz a orquite ou epididimite resultando em infertilidade permanente.

A clamidiose é comumente o agente causal de hepatite em psitacídeos. Em exames radiológicos em animais em contato recente com outros animais acometidos pelo agente observa-se hepatomegalia. Tentativa diagnóstica é feita por ELISA de swab fecal, biópsia hepática com pesquisa por Stamp, Giemsa ou Macchiavello´s, por imunofluorescência IFA, fixação de complemento, aglutinação em látex e aglutinação de corpos elementares. Particularmente tenho utilizado a detecção da bactéria Chlamydophila psittaci por ensaio de PCR utilizando iniciadores de oligonucleotídeos específicos e por ensaio com endonucleases específicas. É bom salientar que o resultado do PCR negativo nem sempre indica ausência total de C. psittaci, pois uma ave infectada pode manter o organismo de forma intermitente. Nestes casos deve-se repetir o exame com nova amostra.

C. psittaci de psitacídeos, patos domesticados e perus nos Estados Unidos parece causar as mais severas doenças no homem. Clamidiose em humanos oriunda de animais de vida livre é rara. A clamidiose em humanos pode ser caracterizada por um tipo de gripe incluindo febre alta, dor de cabeça severa, frio, respiração curta e debilidade generalizada.  Um caso não tratado evoluiu para uma pneumonia atípica ou sinais neurológicos causados por meningite, além dos produtos tóxicos da lesão renal e hepática. Nos casos crônicos podem ser encontradas insuficiências cardiovasculares e tromboflebites. Aproveitando este último parágrafo salientando o potencial zoonótico da clamidiose, abordarei de forma mais específica este tema tão importante a nossa saúde nos parágrafos seguintes.

O termo mais comumente encontrado na linguagem popular e literária é psitacose. A psitacose resulta tipicamente da exposição a aves infectadas com a Chlamydophila psittaci. A infecção geralmente se desenvolve através da inalação do organismo em forma de aerossol de fezes secas ou secreções respiratórias de aves infectadas. Outras formas de infecção são alimentação de aves com alimentos diretamente da boca do proprietário, manipulação de plumagem e tecidos contaminados. A contaminação homem-homem tem sido proposta, mas ainda não foi confirmada.

O período de incubação varia entre 5 e 14 dias, mas períodos mais longos já foram confirmados e publicados. O paciente apresenta fraqueza inaparente até severa pneumonia. Antes da identificação deste agente, 15 a 20% dos humanos infectados morriam, contudo menos de 1% dos humanos infectados nos dias de hoje, que receberam ou recebem tratamento adequado, vem a falecer. Humanos com infecção sintomática têm febre aguda, tremores ou calafrios, dor de cabeça, mal estar e mialgia. Geralmente desenvolvem tosse não produtiva acompanhada de dificuldade respiratória. O diagnóstico diferencial deve incluir Coxiella burnetti, Mycoplasma pneumoniae, Chlamydoplila pneumoniae, Legionella sp e viroses respiratórias como a influenza. O agente ainda pode acometer, além do trato respiratório, outros órgãos sistêmicos e ocasionar endocardite, miocardite, hepatite, artrite, ceratoconjuntivite, e encefalite. Falência respiratória, trombocitopenia, hepatite, e morte fetal têm sido descritos em mulheres grávidas com clamidiose.

  • As recomendações para minimizar os riscos de contágio da infecção quando em contato com aves suspeitas ou positivas para clamidiose aviária podemos citar a orientação de leigos quanto aos riscos, utilização de luvas, roupa, gorro e mascara de alta eficiência (N95) quando realizar a limpeza das gaiolas ou manuseio das mesmas.
  •  Máscaras cirúrgicas não são eficazes! Quando há necropsia, os cuidados devem ser redobrados incluindo o umedecimento das carcaças com detergente e água para prevenir os aerossóis e partículas infectantes, agravado pelos ventiladores ou circuladores de ar ligados.
  • Manter registro ou arquivo preciso das negociações das aves tidas como sãs. O registro deve conter data de compra, espécie, fonte ou criatório, e qualquer descrição que seja relevante. O nome, endereço, telefone dentre outros dados devem se fazer presentes.
  • Isolar as aves recém adquiridas por 30 a 45 dias e testes laboratoriais.
  • Praticar medicina preventiva, como evitar que as aves tenham contato umas com as outras e transferência de material de uma gaiola para outra, utilizar fundo de gaiola ou substrato adequado para sua manutenção, ventilação adequada para prevenir a permanência de aerossóis em suspensão, não utilizar aspirador de pó durante a limpeza.

Animal Exótico, diminuindo as fronteiras entre homens e animais!

 

Animal Exótico, diminuindo as fronteiras entre homens e animais!

Referências

Antinoff N. & Hahn K. 2004. Ferret oncology: diseases, diagnostics, and therapeutics. Veterinary Clinic Exotic Animal,  v. 7, p. 579-625.

 

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Detecção e identificação de bactérias de importância médica. In: ______. Manual de microbiologia clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. Brasília: ANVISA, 2004a. Edição comemorativa para IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, Salvador 30 de agosto de 3 de setembro de 2004.

 

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Detecção e identificação dos fungos de importância médica. In: ______. Manual de microbiologia clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. Brasília: ANVISA, 2004b. Edição comemorativa para IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, Salvador 30 de agosto de 3 de setembro de 2004.

ARRINGTON, L.R. Introductory Laboratory Animal Science – The breeding, care and management of experimental animals. Illinois: Interstate Printers and Publishers, 1972. 203p.

BENITZ, K.F.; KRAMER. A.W. Spontaneous tumors in the Mongolian gerbil. Laboratory Animal Care, v. 15, n. 5, p. 281–294, 1965.

BOYER, T. H.; BOYER, D. M. Turtles, tortoises, and terrapins. In: MADER, D. R. Reptile medicine and surgery. Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 61-78.

BURNIE, D. Animal – The definitive visual guide to the world’s wildlife. 1. ed. London: Dorling Kindersley Limited, 2001. 624p.

BUSH, M. External fixation of avian fractures. J Am Vet Med Assoc, 171:943-946, 1977.

CORRÊA, S. H. R; PASSOS, E. C. Wild animals and public health. In: FOWLER, M. E.; CUBAS, Z. S. Biology, medicine, and surgery of sounth american wild animals. Iowa: Iowa State University Press, 2001. p. 493–499.

CRAMLET, S. H.; TOFT, J. D.; OLSEN, N. W. Malignant melanoma in a black gerbil (Merlones unguiculatus). Laboratory Animal Science, v. 25, p. 545-547, 1975.

COBORN, JOHN. Caring for Green Iguanas. T.F.H. Publications, Inc; 1994.

CUBAS, S. C.; SILVA, J. C. R.; CATÃO-DIAS, J. L. Tratado de animais selvagens. São Paulo:  Roca, 2007. 1354 p.

CUBAS ZS, GODOY SN. Medicina e patologia de aves de companhia.  In: AGUILAR R, HERNÁNDEZ-DIVERS SM, HERNÁNDEZ-DIVERS SJ. (eds.), Atlas de Medicina, Terapêutica e Patologia de Animais Exóticos.  São Caetano do Sul: Interbook; 2006. p. 213-64.

EBANI, V.; FRATINI, F. Bacterial zoonoses among domestic reptiles. Annali Fac. Med. Vet., v. 58, p. 85-91, 2005.

FOSSUM, T.W.; HEDLUND, C.S.; HULSE, D.A.; JOHNSON, A.L.; SEIM III, H.B.; WILLARD, M.D. et al. Cirurgia de Pequenos Animais. 1ª ed. São Paulo: Editora Roca, 2002. 578p.

Fowler, E. M. Zoo & Wild Animals Medicine. Philadelphia: W. B. Saunders Company; 1986, pp. 533-547.

FOWLER, M. Zoo & wild animal medicine. Londres: W. B. Saunders Company, 1986. 1127 p.

FOWLER, M. Zoo & wild animal medicine.  Londres: W. B. Saunders Company, 1993. 617 p.

FOWLER, M.; MILLER, R. Zoo and wild animal medicine. Londres: W. B. Saunders Company, 2003. 782 p.

FRYE, F. L. Reptile care. An atlas of diseases and treatments. Neptune City, N.J. (USA): TFH Publications, USA, 1991. v. 1.

GARNER, M. Cytologic Diagnosis of Diseases of Rabbits, Guinea Pigs, and Rodents. Vet Clin Exot Anim 10 (2007) 25–49

GLEN, E. M.; GRAY, J. Effect of various hormones on the growth and histology of the gerbil (Meriones unguiculatus) abdominal sebaceous gland pad. Endocrinology, v. 76, p. 1115-1123, 1965.

GOLDSCHMIDT,M. H.; HENDRICK,M. J. (2002).Tumours of the skin and soft tissues. In:Tumors in Domestic Animals, 4th Edit., D.J. MEUTEN (Ed.), Iowa State Press, Ames, USA.

GREENACRE, C.B. Spontaneous tumors of small mammals. Veterinary Clinics of North America: Exotic Animal Practice, v. 7, p. 627–51, 2004.

GUZMAN-SILVA, M.A.; PEIXOTO, F. C.; TELLES, T. C. D.; CAMPOS, M. L. A. Incidência de tumor de células da granulosa em gerbil, Meriones unguiculatus.. In: XX Congreso Latinoamericano de Patologia, 1995, Santiago, Chile. XX Congreso Latinoamericano de Patologia, 1995. p. 57-57.

HAGAN, J. What’s the difference? Differentiating Geochelone denticulataand Geochelone carbonaria. [200-]. Disponível em <http://www.tortoise.org/archives/carbdent.html>. Acesso em 28 dez. 2008.

Hammond, E.E. & Wolf, T. 2007. Medicina e cirurgia de furões, p.317-360. In: Aguilar R., Hernández-Divers S.M. & Hernández-Divers S.J. (Ed.), Atlas de Medicina, Terapêutica e Patologia de Animais Exóticos. 1 ed. Editora Interbook, São Paulo.

HARCOURT-BROWN, F. Textbook of Rabbit Medicine. BUTTERWORTH HEINEMANN, 2002. 410 p.

HARKNESS, J.E.; WAGNER, J.E. Biologia e clínica de coelhos e roedores. 3ª ed. São Paulo: Editora Roca; 1993. 238p.

Harvey, C.E. Veterinary dentistry. Philadelphia: W. B. Saunders Company; 1985, pp. 289-308.

HILLYER, E. V.; QUESENBERRY, K. E. Ferrets, Rabbits and Rodents: Clinical Medicine and Surgery. Philadelphia, Pennsylvania: W. B. Saunders Company, 1997. 432 p.

JAWETZ, E. Microbiologia médica. 15. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1982. 568 p.

JOHNSON-DELANEY, C. A. Reptile zoonoses and threats to public helth. In: MADER, D. R. Reptile medicine and surgery.  Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 20–33.

JOHNSON, S.E.; SHERDING, R.G. Esofagopatias e distúrbios de engolição. In: BIRCHARD, S.J.; SHERDING, R.G. Manual Saunders – Clínica de Pequenos Animais. 2. ed. São Paulo: Roca, 2003. Cap. 85, p. 791-809.

MADER, D. Reptile medicine and surgery. St. Louis, Missouri: Saunders Elsevier, 1996. 512 p.

MADER, D. Reptile medicine and surgery. St. Louis, Missouri: Saunders Elsevier, 2006. 1242 p.

MATOVELO, J.A.; MALAGO, J. J.; MASELLE,R.M.; GWAMAKA, M. Gross and microscopic pathological findings in a sebaceous gland carcinoma of the perineum and vulva in a Friesian cow.Veterinary Record, 156, p. 612-613. (2005).

MATSUOKA, K.; SUZUKI, J. Spontaneous tumors in the Mongolian gerbil (Meriones unguiculatus). Experimental Animals, 43,755-760, 1995.

McKEE, P.H., CALONJE, E.; GRANTER, S.R., (2005). Pathology of the Skin with Clinical Correlations,Vol. 2, 3rd Edit., Mosby Ltd., Philadelphia, USA.

MECKLEY, P.E.; ZWICKER, G.M. Naturally-occurring neoplasms in the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animals, v. 13, p. 203-206, 1979.

MURRAY, P. Manual of clinical microbiology. 7. ed. Washington: ASM Press, 1999.

NALLAPAREDDY, S.; SINGH, K.; SILLANPAA, J.; GARSIN, D.; HOOK, M.; ERLANDSEN, S.; MURRAY, B. Endocarditis and biofilm-associated pili ofEnterococcus faecalis. The Journal of Clinical Investigation, v. 116, n. 10, p. 2799-2807, 2006.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Medicina Interna de Pequenos Animais. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 1360p.

O’MALLEY, B. Clinical anatomy and physiology of exotic species: structure and function of mammals, birds, reptiles and apmphibians. Edinburgh: Elsevier Saunders, 2005. 269 p.

OGLESBEE, B. L. Distúrbios dos Animais de Estimação Aviários e Exóticos. In: BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Manual Saunders – Clínica de pequenos animais. 2. ed. São Paulo: Roca, 2003. p.1533-1726.

PERCY DH, BARTHOLD SW. Pathology of laboratory rodents and rabbits. 2nd edition. Ames (IA): State University Press; 2001.

PERCY, D. H.; BARTHOLD, S.W. Pathology of Laboratory Rodents and Rabbits, 2 Ed. Iowa State University: Press, Ames, IA. 2001,  315p.

PESSOA CA. Avaliação da microbiota bacteriana e fúngica presente na cloaca de jabutis (Geochelone carbonaria) criados em domicílio e análise do potencial risco a saúde humana. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), São Paulo; 2009.

PESSOA, C. A. Estudo de Acompanhamento na venda de animais legalizados por loja legalizada e especializada em espécimes silvestres. 2006. Disponível em: <http://www.animalexotico.com.br/>.  Acesso em: 16 ago. 2006.

PESSOA CA, RODRIGUES MA, KOZU F, PRAZERES RF, FECCHIO R. Ooforectomia videoassistida por acesso pré-femural em tartaruga de ouvido vermelho Trachemys scripta elegans. Pesq vet bras 2008; 28(7): 345-349.

PESSOA CA, PRAZERES RF, FECCHIO RS, RODRIGUES MA, SOUZA PC. Utilização da videoendoscopia no diagnóstico de balanite em Jabuti-Piranga (Geochelone carbonaria Spix, 1824) relato de caso. In: XII Congresso e XVIII Encontro da Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens, Águas de Lindóia; 2009.

PESSOA CA, PRAZERES RF, FECCHIO RS, SOUZA PC. Utilização da videoendoscopia no diagnóstico de ruptura em saco aéreo clavicular em papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva Linnaeus, 1758) relato de caso. In: XII Congresso e XVIII Encontro da Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens, Águas de Lindóia; 2009.

PORT, C. D.; SIDOR, M. A. (1978). A sebaceous gland carcinoma in a rabbit. Laboratory Animal Science, 28, p. 215-216.

PROPHET, E. B.; MILLS, B.; ARRINGTON, J. B.; SOBIN, L. H. Laboratory methods in histotechnology. Washington: Armed Forces Institute of Pathology, 1992. 279 p.

Quesenberry, K.E. & Rosenthal, K.L. 2004. Endocrine diseases, p.79-90. In: Quesenberry, K.E., Carpenter, J.W. (Ed.), Ferrets, Rabbits, and Rodents – Clinical Medicine and Surgery. 2nd ed. Saunders, Missouri.

QUESENBERRY, K. Medical management of gerbils and guinea pigs. In: The21st Annual Waltham/OSU Symposium for the Treatment of Small Animal Diseases. 21. Proceedings ed., Ohio, 1997. 51 – 55 p.

QUESENBERRY, K.E.; CARPENTER, J.W. Ferrets, rabbits, and rodents – Clinical medicine and surgery. 2nd ed. Missouri: Saunders, 2003. 461p.

RAFLO, C.P.; DIAMOND, S.S. Metastatic squamous-cell carcinoma in a gerbil (Meriones unguiculatus). Laboratory Animals, v. 14, p. 237-239, 1980.

RINGLER, D. H.; LAY, D. M.; ABRAMS, G. D. Spontaneous neoplasms in aging Gerbillinae. Laboratory Animal Science, v. 22, p. 407-414, p. 1972.

ROSENTHAL, K. L.; MADER, D. R. Microbiology. In:  MADER, D. R. Reptile medicine and surgery. Londres: W. B. Saunders Company, 1996. p. 61-78.

ROSENTHAL, K.L. Practical exotic animal medicine. New Jersey: Veterinary Learning Systems Co, 1997, 274p.

RUPLEY AE. Manual de Clínica Aviária. São Paulo: Roca; 1999.

Salzo P.S., Vieira J.F. & Wildmann A. 2007. Alopecia X. Clínica Veterinária, n. 69, p. 64-66.

Shoemaker N.J., Schuurmans M., Moorman H. & Lumeij J.T. 2000. Correlation between age at neutering and age at onset of hyperadrenocorticism in ferrets. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 216, n. 2, p.195-197.

SCOTT, D. W.; ANDERSON, W. I. (1991). Feline sebaceous gland tumors: a retrospective analysis of nine cases. Feline Practice, 19,16-18, 20-21.

SHUMAKER, R. C.; PAIK, S. K.; HOUSER, W. D. Tumors in Gerbillinae: a literature review and report of a case. Laboratory Animal Science, v. 24, p. 688-690, 1974.

STRAFUSS, A. C. (1976). Sebaceous gland carcinoma in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, 169, p. 325–326

SUCKOW, M. A., REBELATTO, M. C., SCHULMAN, A. A.; HOGENESCH, H. (2002). Sebaceous adenocarcinoma of the external auditory canal in a New Zealand white rabbit. Journal of Comparative Pathology, 127, p.301-303.

SWENSON, M.J. & REECE W.O.- Dukes- Fisiologia dos Animais Domésticos. 11ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 1996. 856p

TAYLOR M. Endoscopy examination and biopsy techniques. In: Ritchie BW, Harrison GJ,  Harrison LR. (eds.), Avian Medicine: principles and application. Florida: Wingers Publishing; 1994. p.327-54.

TRABULSI, L. R.; CAMPOS, L. CEscherichiaIn: TRABULSI, L. S.; SOUZA, C. P. Microbiologia. São Paulo: Atheneu, 1999. p. 215- 228.

TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F.; Microbiologia. 4. ed.  rev. e atual. São Paulo: Atheneu, 2005. 718 p.

TRABULSI, L. R.; TOLEDO, M. R. F. Resistência bacteriana a drogas. In:TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F.; GOMPERTZ, O. F.; CANDEIAS, J. A. N.Microbiologia. São Paulo: Atheneu, 1999. p. 105-109.

VINCENT, A. L.; ASH, L. R. Further observations on spontaneous neoplasms in the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animal Science, v. 28, p. 297-300, 1978.

VINCENT, A. L.; PORTER, D. D.; ASH, L. R. Spontaneous lesions and parasites of the Mongolian gerbil, Meriones unguiculatus. Laboratory Animal Science, v. 25, p. 711-722, 1975.

Wagner R.A., Bailey E.M., Schneider J.F. & Oliver J.W. 2001. Leuprolide acetate treatment of adrenocortical disease in ferrets. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 218, n. 8, p.1272-1274.

 

Wheeler J., & Bennett R.A. 1999. Ferret abdominal surgical procedures. Part I. Adrenal gland and pancreatic beta-cell tumors. Compendium on Continuing Education for the Practicing Veterinarian, v.  21, n. 9, p. 815-822.

 

Weiss C.A. & Scott M.V. 1997. Clinical aspects and surgical treatment of hiperadrenocorticism in the domestic ferret: 94 cases (1994-1996). Journal of the American Animal Hospital Association,  v. 33, p. 487-493.

WEST, C. D. Gerbils. In: BEYNON, P. H.; COOPERS, J. E. Manual of Exotic Pets. Barcelona, Espanha: Grafos, 1994. 31 – 35 p.

Wiggs, R.B Dentistry in exotic carnivores. Presented at the 16th Annual Veterinary Dental Forum. Savannah, 2002.

 

Wiggs, R.B.; Lobprise, H.B. Veterinary dentistry. Principles & pratice. New York: Ed. Lippincott-Raven; 1997. pp. 538-556.

 

Wiggs, R.B.; Bloom, B.C. Exotic placental carnivore dentistry. Vet Clin Exot Anim 6 (2003) 571–599.

WILLARD, M. D.; CARROLL, G. L. Cirurgia de pequenos animais. 1. ed. São Paulo: Editora Roca, 2002. 1335p.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *