Arquivo da categoria: Cães & Gatos

Cães & Gatos

Margot, boxer com corpo estranho, dia movimentado!

Boxer, fêmea, 2 anos, com falta de apetite há 2 dias. Cliente não observou mais nada de anormal, e nem sentiu falta de qualquer objeto.

Ultrassonografia demonstrou imagem compatível com corpo estranho, não realizado radiografias.

Ao exame endoscópico observei objeto preto, qual seria??? Após a retirada do mesmo em apenas 3 minutos, apareceu um prendedor de cabelo!

eda3

Após a remoção do objeto, o estômago apresentava-se perfeito, sem nenhuma alteração, show!

eda4

 

Animal Exótico, diminuindo as fronteiras entre homens e animais!

Tumores nas glândulas mamárias caninas

O tumor mais comum na fêmea canina é o de origem da glândula mamária. De forma semelhante, nesta espécie, os tumores mamários malignos são de longe, a principal forma de neoplasia.

180

 

A despeito de sua alta taxa de ocorrência, as neoplasias mamárias apresentam desafio terapêutico para o clínico pois exibem variações consideráveis na sua aparência histórica, clínica, e histológica. A previsão tanto do comportamento tumoral como da resposta à terapia é extremamente difícil e frequentemente subjetiva. Continue lendo Tumores nas glândulas mamárias caninas

Infecção por Bordetella bronchiseptica

A infecção clínica é relativamente comum em cobaias, cães e suínos. Ratos, coelhos, gatos, pássaros e primatas também podem desenvolver a infecção clínica, mas estes animais normalmente se apresentam portadores.

174

A Bordetella bronchiseptica  é um bacilo ou cocobacilo pequeno, móvel e Gram (-). A transmissão se dá por contato direto com animais clinicamente afetados, portadores, fômites e aerossóis respiratórios. Continue lendo Infecção por Bordetella bronchiseptica

Urolitíase em Cães

A urolitíase é uma concreção policristalina encontrada no trato urinário. Urólitos também são chamados de pedras ou cálculos. Mais de um cristal pode ser encontrado ou compor um único urólito.2

A urina dos cães é uma solução complexa que permite que os sais (ex. oxalato de cálcio e fosfato de amônio magnesiano) permaneçam em solução sob condições de  intensa saturação.1

A cristalúria é uma consequência da intensa saturação da urina, e caso os cristais se agreguem e não haja uma excreção adequadas dos mesmos, os urólitos podem ser formados. Vários estudos demonstram que os urólitos mais comumente encontrados são os de estruvita (fosfato de amônio magnesiano), seguidos pelos urólitos de oxalato de cálcio, urato, silicato, cistina, e tipos mistos. 1

Temos como fatores que contribuem para a cristalização dos sais e formação dos urólitos a concentração suficientemente alta de sais na urina, período de tempo adequado no interior do trato urinário para que ocorra pH urinário favorável a cristalização, um núcleo sobre o qual a cristalização possa ocorrer, e concentrações reduzidas dos inibidores da cristalização da urina. O alto consumo dietético de minerais e proteínas e a capacidade dos cães de produzir urina altamente concentrada contribuem para a supersaturação da urina com sais. Em alguns casos, a reabsorção tubular reduzida (por ex. cálcio, cistina e acido úrico) ou a produção elevada secundária a infecção bacteriana (por ex. íons fosfato e amônio) também contribuem para a intensa saturação urinária. 1 Algumas raças são mais predispostas (genética) a formarem urólitos como o Schnauzer miniatura, Poodle miniatura, Teckel, Shih Tzu, Cocker spaniel, e o Dálmata. Cabe ressaltar que todos os cães, independente de raça ou idade podem formar urólitos. 2

Os animais podem apresentar, dependendo da localização do urólito, oligúria (várias tentativas de urinar com pouco volume), disúria (condição dolorosa pelo ato de urinar), anúria (não urina), hematúria (sangue na urina), distensão vesical, sinais de uremia pós-renal, polaquiúria (necessidade de urinar por várias vezes), hidronefrose, sinais sistêmicos como anorexia, depressão, febre, ou até mesmo alguns animais podem ser assintomáticos. 2

O diagnóstico é feito através da anamnese, exame clínico, e exames laboratoriais como hemograma completo, urinálise, análise do urólito, radiografia, 2 ultra-sonografia, culturas, dentre outros.

Continue lendo Urolitíase em Cães